21/05/2018

Personalidade+

Manuel Espregueira e Oliveira

No âmbito do projeto da Rede de Bibliotecas Escolares aLer+, este ano com o subtema Personalidade+, a turma B do 5º ano e a turma A do 6º ano, contemplaram o vianense Manuel Espregueira e Oliveira e desenvolveram um trabalho em articulação com a BE.
Os produtos representativos do trabalho realizado foram expostos na casa que fora outrora desta personalidade.



  A inauguração da exposição, decorreu no Dia Internacional dos Museus, começando pela visita ao Museu de Artes Decorativas, onde se encontra um grande espólio de faiança, doado pelo filho de Manuel Espregueira e Oliveira, por ser a vontade de seu pai.


Após a visita guiada ao Museu, os alunos, os professores e os encarregados de educação, tiveram a honra de ser recebidos na casa Manuel Espregueira e Oliveira, pelos atuais proprietários que disponibilizaram a galeria para a exposição dos trabalhos realizados, "Sonho com gente dentro" e "Memórias escritas", bem como outras instalações, para a música, a poesia e o teatro realizado. Bem hajam!


18/05/2018

Personalidade+

Dia Internacional dos Museus




Casa Manuel Espregueira e Oliveira

(Rua Manuel Espregueira e Oliveira, 190)
sex 18 a seg 28
Exposição de Artes Plásticas
Sonho com Gente Dentro

Org.: Agrupamento de Escolas de Monte da Ola






Hoje, dia 18 de Maio de 2018, a turma B do 5º ano e a turma A do 6º ano, junto com os respetivos diretores de turma e alguns colaboradores, inauguram uma exposição na casa de Manuel Espregueira e Oliveira, em parceria com o Museu de Artes Decorativas, a Biblioteca Municipal e o Teatro do Noroeste.
Esta atividade, realiza-se no âmbito do projeto aLeR+ - Personalidade+ - Manuel Espregueira e Oliveira, personalidade ilustre vianense.


17/05/2018

Masstraining


Suporte Básico de Vida






















As turmas do 9º ano, tiveram uma ação de formação sobre Suporte Básico de Vida, dinamizada por três técnicos do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM). Na primeira parte, ficaram a saber como funciona o Centro Orientador de Doentes Urgentes (CODU). Na segunda parte, puseram em prática os ensinamentos. 

16/05/2018

Um projeto para a vida


Livro Livre





25 de abril – um projeto para a vida


No início do período, a turma do 6ºA abraçou o projeto 25 de abril com a concretização de duas atividades. Na disciplina de Educação Visual e em articulação com a Biblioteca Escolar, após pesquisa de informação e respeito pelos conteúdos lecionados pela docente da disciplina, a turma elaborou cartazes sobre o 25 de abril que se encontram expostos no polivalente da escola.




Paralelamente, e em diversas disciplinas, os alunos trabalharam o Livro Livre. Foram selecionados cinco exemplares deste livro, elaborados pelos alunos da turma, para fazerem parte da exposição conjunta das escolas aderentes ao desafio lançado pela Sra. vereadora da cultura, Maria José Guerreiro. No dia 24 de abril, os alunos estiveram presentes na inauguração desta exposição, patente nos Antigos Paços do Concelho.







No final do ano letivo, os livros trabalhados por todas as turmas do 6º ano de escolaridade serão exibidos na nossa escola. 

15/05/2018

Miúdos a votos





Miúdos a votos: quais os livros mais fixes? - iniciativa da Rede de Bibliotecas Escolares e da VISÃO Júnior, consistiu na eleição dos livros preferidos dos alunos desde o 1º ao 3º ciclo. Através destas eleições, os alunos puderam votar no seu livro preferido. Na nossa escola, todo o processo foi dinamizado pela turma 9ºE que foi semelhante ao de umas eleições políticas, promovendo simultaneamente a leitura e a cidadania. Pretendeu-se que os alunos ficassem a conhecer melhor como se desenrola um processo eleitoral e para que serve. A votação de «Miúdos a Votos» decorreu na biblioteca da escola, no dia 23 de abril,  Dia Mundial do Livro. Após a contagem dos votos, a cargo de alguns elementos da turma dinamizadora e da professora bibliotecária, foram afixados os resultados eleitorais na biblioteca escolar.
Os livros vencedores a nível nacional vão ser revelados numa cerimónia a realizar no dia 30 de maio, na Feira do Livro de Lisboa.  






11/05/2018

"Sonho com gente dentro"



No âmbito do projeto Personalidade+, duas turmas do 2º Ciclo, da Escola Básica e Secundária de Monte da Ola, seus respetivos diretores de turma e restantes professores, convidam a comunidade educativa, para a visita à exposição "Sonho com gente dentro" e "Memórias escritas", que será inaugurada no Dia Internacional dos Museus, 18 de Maio de 2018.




01/05/2018

1º de Maio


1 de maio é o Dia do Trabalhador, data que tem origem a primeira manifestação de 500 mil trabalhadores nas ruas de Chicago, e numa greve geral em todos os Estados Unidos, em 1886.
Três anos depois, em 1891, o Congresso Operário Internacional convocou, em França, uma manifestação anual, em homenagem às lutas sindicais de Chicago. A primeira acabou com 10 mortos, em consequência da intervenção policial.
Foram os factos históricos que transformaram o 1 de maio no Dia do Trabalhador. Até 1886, os trabalhadores jamais pensaram exigir os seus direitos, apenas trabalhavam.


No dia 23 de abril de 1919, o Senado francês ratificou as 8 horas de trabalho e proclamou o dia 1º de maio como feriado, e uns anos depois a Rússia fez o mesmo.
No Brasil é costume os governos anunciarem o aumento anual do salário mínimo no dia 1 de maio.

No calendário litúrgico celebra-se a memória de São José Operário por tratar-se do santo padroeiro dos trabalhadores.

Em Portugal, os trabalhadores assinalaram o 1.º de Maio logo em 1890, o primeiro ano da sua realização internacional. Mas as ações do Dia do Trabalhador limitavam-se inicialmente a alguns piqueniques de confraternização, com discursos pelo meio, e a algumas romagens aos cemitérios em homenagem aos operários e ativistas caídos na luta pelos seus direitos laborais.
Com as alterações qualitativas assumidas pelo sindicalismo português no fim da Monarquia, ao longo da I República transformou-se num sindicalismo reivindicativo, consolidado e ampliado. O 1.º de Maio adquiriu também características de ação de massas.
Até que, em 1919, após algumas das mais gloriosas lutas do sindicalismo e dos trabalhadores portugueses, foi conquistada e consagrada na lei a jornada de oito horas para os trabalhadores do comércio e da indústria.
Mesmo no Estado Novo, os portugueses souberam tornear os obstáculos do regime à expressão das liberdades. As greves e as manifestações realizadas em 1962, um ano após o início da guerra colonial em Angola, são provavelmente as mais relevantes e carregadas de simbolismo.
Nesse período, apesar das proibições e da repressão, houve manifestações dos pescadores, dos corticeiros, dos telefonistas, dos bancários, dos trabalhadores da Carris e da CUF. No dia 1 de Maio, em Lisboa, manifestaram-se 100 000 pessoas, no Porto 20 000 e em Setúbal, 5000.
Ficarão como marco indelével na história do operariado português, as revoltas dos assalariados agrícolas dos campos do Alentejo, com o grande impulso no 1.º de Maio de 62.
Mais de 200 mil operários agrícolas, que até então trabalhavam de sol a sol, participaram nas greves realizadas e impuseram aos agrários e ao governo de Salazar a jornada de oito horas de trabalho diário.
Claro que o 1.º de Maio mais extraordinário realizado até hoje, em Portugal, com direito a destaque certo na história, foi o que se realizou oito dias depois do 25 de Abril de 1974.


O Dia do Trabalhador também tem sido turbulento na Turquia, muitas vezes violento e mortal. O ano de 2015 ficou marcado por uma originalidade: o regime não quis proibir diretamente a manifestação tradicional na Praça Taksim, mas impediu a concentração de trabalhadores e intelectuais naquele local emblemático.

No Japão, o 1° de maio é comemorado a 23 de novembro, desde 1948. É chamado de Kinrou Kansha no Hi ( きんろうかんしゃのひ / 勤労感謝 の日), que traduzindo seria “Dia da Ação de Graças ao Trabalho“.

Muito antes de ser considerado o Dia do Trabalhador, 1 de maio foi dia de outros factos históricos.
  • 1500: Pedro Álvares Cabral tomou posse da Ilha de Vera Cruz (atual Brasil), em nome do Rei de Portugal;
  • 1707: passou a vigorar o Tratado de União, que transformou os reinos da Inglaterra e da Escócia em Reino Unido;
  • 1786: a ópera ‘As Bodas de Fígaro’, de Mozart, estreou em Viena, Áustria;
  • 1834: foi abolida a escravatura nas colónias inglesas;
  • 1960: iniciou-se uma crise diplomática entre antiga União Soviética e os EUA, com o abate do U2, um avião espião norte-americano, pilotado por Francis Gary Powers;
  • 1994: o automobilismo sofre uma grande perda com a morte do brasileiro Ayrton Senna, no Grande Prémio de San Marino;.
  • 2004: a União Europeia cresceu, com a entrada de mais 10 países: República Checa, Hungria, Chipre, Eslováquia, Polónia, Eslovénia, Estónia, Letónia, Lituânia e Malta.
  • 2011: beatificação do Papa João Paulo II, exatamente no mesmo dia em que Barack Obama disse “We got him”, referindo-se à captura e morte do terrorista Osama Bin Laden, numa operação norte-americana realizada no Paquistão.
  • O 1 de maio é também o dia de nascimento do escritor francês Jean de Joinville (1225), do poeta russo Aleksey Khomyakov (1804), e do quarto Presidente da República Portuguesa, Sidónio Pais (1872).
http://pt.euronews.com/2017/05/01/significado-e-historia-do-1-de-maio-dia-do-trabalhador

25/04/2018

Dia da Liberdade



Sabes o que aconteceu no dia 25 de Abril de 1974? Os populares juntaram-se aos militares e deu-se a revolução dos cravos. Recorda como tudo aconteceu!

25 de Abril de 1974. De madrugada, militares do MFA ocuparam os estúdios do Rádio Clube Português e, através da rádio, explicaram à população que pretendiam que o País fosse de novo uma democracia, com eleições e liberdades de toda a ordem. E punham no ar músicas de que a ditadura não gostava, como Grândola Vila Morena, de José Afonso.
Ao mesmo tempo, uma coluna militar com tanques, comandada pelo capitão Salgueiro Maia, saiu da Escola Prática de Cavalaria, em Santarém, e marchou para Lisboa. Na capital, tomou posições junto dos ministérios e depois cercou o quartel da GNR do Carmo, onde se tinha refugiado Marcelo Caetano, o sucessor de Salazar à frente da ditadura.
Durante o dia, a população de Lisboa foi-se juntando aos militares. E o que era um golpe de Estado transformou-se numa verdadeira revolução. A certa altura, uma vendedora de flores começou a distribuir cravos. Os soldados enfiavam o pé do seu cravo no cano da espingarda e os civis punham a flor ao peito. Por isso se falava de Revolução dos Cravos. Foram dados alguns tiros para o ar, mas ninguém morreu nem foi ferido.
Ao fim da tarde, Marcelo Caetano rendeu-se e entregou o poder ao general Spínola, que, embora não pertencesse ao MFA, não pensava da mesma maneira que o governo acerca das colónias.
Um ano depois, a 25 de Abril de 1975, os portugueses votaram pela primeira vez em liberdade desde há muitas décadas.




23/04/2018

Dia Internacional do Livro



O Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor foi instituído pela UNESCO em novembro de 1995, procurando fomentar o gosto pela leitura e, simultaneamente, respeitar a obra daqueles que, pela escrita, têm contribuído para o progresso social e cultural da Humanidade.

Qual a razão para se optar pelo dia 23 de abril? Publicam-se livros todos os dias...

Por coincidência, nesta data nasceu e morreu William Shakespeare, deixou-nos Cervantes e numerosos escritores famosos vieram ao mundo ou faleceram.

Mas já antes a Catalunha instituíra um Dia Internacional do Livro, festejado a 5 de abril, em que, tradicionalmente, se ofereciam livros e rosas aos amigos. O hábito gentil de associar o livro a uma flor nesta celebração foi adotado em vários países e ainda perdura.

Hoje, o Dia Mundial do Livro celebra-se em todo o planeta das mais diversas formas.

Mas gostaria de me concentrar na grande importância dos livros para os mais novos e, muito particularmente, para os meninos do jardim de infância que, sem saberem ler, têm por eles um amor e um fascínio que excedem, muitas vezes, os das crianças mais velhas.

O livro contado por uma educadora, por um familiar ganha uma carga afetiva e íntima.

Ele revela-se a grande porta para a descoberta consciente da língua, que é, afinal, como dizia Fernando Pessoa, a nossa pátria. No livro, a língua se faz arte, explorando a beleza das palavras, os ritmos, por vezes as rimas.

Ele ensina ou faz a imaginação voar. Brinca com o humor. Expõe situações paradigmáticas que preparam para a vida. Com ele vivem-se aventuras que de outra forma não eram possíveis.

Folhear um livro, um álbum ilustrado, constitui também uma incursão nas artes visuais, no mundo das formas, das cores, das sensações. Algumas obras destinadas a estes pequenos utentes nem sequer têm texto, vivem exclusivamente da ilustração, e isso lhes basta.


19/04/2018

Concurso Nacional de Leitura


Hoje, dia 19 de abril, os vencedores da 1ª fase do concurso, da nossa Escola, disputarão a prova da 2ª fase, a nível municipal, na Biblioteca Municipal.
Os alunos apurados são:

1º ciclo - Marta Viana Arezes - Escola Básica Foz do Neiva

2º ciclo - Afonso Barreto Lages  Turma E 6º ano - Escola Básica e Secundária de Monte da Ola

3º ciclo - André Liquito Barreto Turma E 7º ano - Escola Básica e Secundária de Monte da Ola

Boa sorte aos concorrentes!