16/10/2019

Dia Mundial da Alimentação


O Dia Mundial da Alimentação é celebrado no dia 16 de outubro de cada ano para comemorar a criação em 1945 da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO). O objetivo do Dia Mundial da Alimentação é consciencializar o conjunto da humanidade sobre a difícil situação que enfrentam as pessoas que passam fome e estão desnutridas, e promover em todo o mundo a participação da população na luta contra a fome. Todos os anos, mais de 150 países celebram este evento. O Dia Mundial da Alimentação foi celebrado pela primeira vez em 1981.

Ouve este bonito poema de Eugénio de Andrade "Frutos" .



https://bi30.blogs.sapo.pt/dia-mundial-da-alimentacao-75827

10/10/2019

Miúdos a Votos

«Miúdos a Votos: quais os livros mais fixes?» está de regresso! 


Esta iniciativa da VISÃO Júnior e da Rede de Bibliotecas Escolares, que se realiza pela quarta vez, cruza leitura com cidadania. Afinal, quanto mais livros lemos, mais livres somos...
«Miúdos a Votos: quais os livros mais fixes?» é uma iniciativa conjunta da VISÃO Júnior e da Rede de Bibliotecas Escolares. O objetivo é fomentar o gosto pela leitura e, simultaneamente, fazer perceber como se organizam e para que servem umas eleições.
Numa tentativa de combater a abstenção e a iliteracia, «Miúdos a Votos» desenrola-se em várias etapas, que correspondem às mesmas etapas de um processo eleitoral político.
Nesta fase, os alunos apresentam os livros que candidatam à eleição através do preenchimento de um formulário em linha disponível na biblioteca escolar até 31 de outubro. Até esta data, os alunos devem vir à Biblioteca  para preencherem o formulário.

Boas Leituras!

05/10/2019

Implantação da República



5 de outubro de 1910 | Monarquia deu lugar à República em Portugal

A Implantação da República  foi resultado de uma revolução organizada pelo Partido Republicano Português, iniciada no dia 2 e vitoriosa na madrugada do dia 5 de outubro de 1910, que destituiu a monarquia constitucional e implantou um regime republicano em Portugal.

A revolução

A passagem do século XIX para o século XX, foi particularmente crítica para a sociedade portuguesa. O nacionalismo lusitano estava de rastos com a subjugação aos interesses coloniais britânicos. Por outro lado, os gastos excessivos da família real, o excessivo poder da igreja e a instabilidade política e social, completavam um quadro de permanente agitação social.

A ditadura de João Franco, com a sua incapacidade de acompanhar a evolução dos tempos e se adaptar à modernidade, contribuiu decisivamente para um dramático processo de desgaste da monarquia, do qual os defensores da república souberam tirar o melhor partido. O partido republicano apresentava-se aos olhos do povo como o único que tinha um programa capaz de devolver ao país o prestígio perdido e colocar Portugal na senda do progresso.

Estas circunstâncias ajudaram a que o exército mostrasse alguma relutância em combater os cerca de dois mil soldados e marinheiros revoltosos entre os dias 3 e 4 de outubro de 1910, abrindo portas à mudança de regime. A República foi proclamada às 9 horas da manhã do dia seguinte da varanda dos Paços do Concelho de Lisboa. Entre diversas outras mudanças que foram implementadas com a República, desde logo foram substituídos os símbolos nacionais: o hino nacional, a bandeira e a moeda. Mas na realidade tudo começou a desenhar-se dois anos antes com o assassinato do Rei e do Príncipe herdeiro.

O regicídio em 1908

A 1 de fevereiro de 1908, quando regressavam a Lisboa vindos de Vila Viçosa, no Alentejo, onde haviam passado a temporada de caça, o rei D. Carlos e o príncipe herdeiro Luís Filipe foram assassinados em plena Praça do Comércio.

O atentado ficou a dever-se ao progressivo desgaste do sistema político português. João Franco, presidente do Conselho de Ministros (chefe do governo), conseguiu convencer o rei a encerrar o parlamento para poder implementar uma série de medidas com vista à moralização da vida política. Com esta decisão acirrou-se toda a oposição, não só apenas a republicana, mas também a monárquica, liderada pelos políticos rivais de Franco que o acusavam de governar em ditadura. Os acontecimentos acabaram por se precipitar na sequência da questão dos adiantamentos à Casa Real (regularização das dívidas régias ao Estado) e da assinatura do decreto de 30 de janeiro de 1908 que previa o degredo nas colónias, sem julgamento, aos envolvidos numa intentona republicana fracassada ocorrida dois dias antes, o Golpe do Elevador da Biblioteca.
A família real encontrava-se então no Paço Ducal de Vila Viçosa,mas os acontecimentos levaram o rei D. Carlos a antecipar o regresso a Lisboa, tomando o comboio na estação de Vila Viçosa na manhã do dia 1 de fevereiro. A comitiva régia chegou ao Barreiro ao final da tarde, onde, para atravessar o Tejo, tomou o vapor D. Luís, desembarcando no Terreiro do Paço, em Lisboa, por volta das 17 horas. Apesar do clima de grande tensão, o rei optou por seguir em carruagem aberta, com uma reduzida escolta, para demonstrar normalidade. Enquanto saudavam a multidão presente na praça, a carruagem foi atingida por vários disparos. Um tiro de carabina atravessou o pescoço do rei, matando-o imediatamente. Seguiram-se vários disparos, sendo que o príncipe real conseguiu ainda alvejar um dos atacantes, tendo sido de seguida atingido na face por um outro disparo.  Rezam as crónicas da época que a rainha, de pé, defendia-se com o ramo de flores que lhe fora oferecido, fustigando um dos atacantes, que subira o estribo da carruagem. O infante D. Manuel foi também atingido num braço. Dois dos regicidas, Manuel Buíça, professor primário, e Alfredo Costa, empregado do comércio e editor, foram mortos no local. Outros fugiram tendo a carruagem real entrado no Arsenal da Marinha, onde se verificou o óbito do rei e do herdeiro ao trono.

Com a morte do Rei D. Carlos, D, Manuel II é aclamado Rei de Portugal

Logo após o atentado, o governo de João Franco foi demitido tendo-se iniciado um rigoroso inquér que, ao longo dos dois anos seguintes, veio a apurar que o atentado fora cometido por membros da Carbonária. O processo de investigação estava já concluído nas vésperas do 5 de outubro de 1910. Entretanto, tinham sido descobertos mais suspeitos de envolvimento direto, sendo que alguns estavam refugiados no Brasil e em França.
A Europa ficou chocada com este atentado, uma vez que D. Carlos era muito estimado pelos restantes chefes de estado europeus.  O regicídio de 1908 acabou por abreviar o fim da monarquia ao colocar no trono o jovem D. Manuel II e dividindo os partidos monárquicos numa luta fratricida.

O afundamento da monarquia

D. Manuel II tinha apenas 18 anos quando foi aclamado Rei. Devido à sua pouca idade e pela forma trágica como chegou ao trono, recebeu inicialmente uma simpatia generalizada. O jovem rei começou por nomear um governo de consenso, presidido pelo almirante Francisco Joaquim Ferreira do Amaral. Este governo de acalmação, como ficou conhecido, apesar de lograr acalmar momentaneamente os ânimos, acabou por ter uma duração breve. A situação política rapidamente voltou a degradar-se, tendo-se assistido à sucessão de sete governos em apenas dois anos. Os partidos monárquicos voltaram às habituais divisões, fragmentando-se, enquanto o Partido Republicano continuava a ganhar terreno. Nas eleições de 5 de abril de 1908, a última legislativa completa na vigência da monarquia, o partido viu eleitos sete deputados: mantiveram-se os quatro da bancada eleita em 1900 e juntaram-se-lhes Estêvão de Vasconcelos, Feio Terenas e Brito Camacho. Nas eleições de 28 de agosto de 1910 o partido teve um resultado arrasador, duplicando a sua bancada.

A revolução saiu à rua

No verão de 1910 Lisboa fervilhava de boatos e várias vezes foi o próprio primeiro-ministro, Teixeira de Sousa, avisado de golpes iminentes. A revolução não foi exceção: o golpe era esperado pelo governo,  que a 3 de outubro deu ordem para que todas as tropas da guarnição da cidade ficassem de prevenção. Após o jantar oferecido em honra de D. Manuel II pelo presidente brasileiro Hermes da Fonseca, então em visita de Estado a Portugal, o monarca recolheu-se ao Paço das Necessidades, enquanto seu tio e herdeiro jurado da coroa, o infante D. Afonso, seguia para a Cidadela de Cascais.
Como em tudo na vida há sempre um acontecimento, por insignificante que seja, que despoleta as grandes crises. E a Implantação da República também não foi excepção. Miguel Bombarda é baleado por um dos seus pacientes, os chefes republicanos reuniram-se de urgência na noite de dia 3.  Alguns oficiais foram contra, dada a prevenção das forças militares, mas o almirante Cândido dos Reis insistiu para que se continuasse, sendo-lhe atribuída a frase: “A Revolução não será adiada: sigam-me, se quiserem. Havendo um só que cumpra o seu dever, esse único serei eu”.

01/10/2019

Dia Internacional da Música



O Dia Internacional da Música foi criado em 1975 com o objetivo de levar a música a toda à sociedade, promovendo paz e amizade.
Capaz de mudar o estado de humor, de reconduzir o espírito aos sentimentos mais sublimes, a música invade o silêncio para nos falar numa linguagem que conseguimos compreender, sem esforço algum, com simplicidade e beleza.
O dia 1º de outubro foi instituído como o Dia Internacional da Música, em 1975, pelo International Music Council, organização não governamental fundada com o apoio da UNESCO em 1948, com o objetivo de levar a música a todos os setores da sociedade e promover os valores de paz e a amizade por seu intermédio.
Hoje, celebramos esta data em todo o planeta com diversas iniciativas, como homenagem a arte que mais une as pessoas, sem preconceito, tornando-as um só.

https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/datas-comemorativas/01-outubro-dia-internacional-musica.htm
























Na Biblioteca da Escola podes visitar a exposição de instrumentos musicais. No polivalente podes consultar alguns documentos sobre Música, que se encontram expostos na vitrina.



26/09/2019

Formação de Utilizadores



Chegou o dia da apresentação da Biblioteca Escolar aos alunos das turmas A, B e E do 5º ano. Ficaram a conhecer o regulamento e o funcionamento da biblioteca.
Depois da apresentação, foram dadas algumas sugestões de livros, para requisição dos alunos, de forma a que pudessem começar a leitura e a execução dos Diários de Leitura.

Bem-vindos e boas leituras!

20/09/2019

Diários de Leitura


Os alunos das turmas C e D do 5º ano, foram os primeiros utilizadores a ter formação, sobre o funcionamento da Biblioteca Escolar
Depois da apresentação, foram dadas algumas sugestões de livros, para requisição dos alunos, de forma a que pudessem começar a leitura e a execução dos Diários de Leitura.

13/09/2019

Receção aos alunos




Hoje, foi dia de receber os alunos do 5º ano, que vão iniciar uma nova etapa na vida deles. Visitaram a Escola pela primeira vez e ficaram a conhecer o nosso funcionamento.
Sejam Felizes!

12/09/2019

Início do Ano Letivo



Estamos de regresso às aulas, sejam bem-vindos ao novo ano letivo! E com boas leituras!

E para animar um bocadinho, divirtam-se com este vídeo de alguns excertos do menino Tonecas na escola!


14/06/2019

Final de Ano Letivo




"A diferença entre o possível e o impossível está na vontade das pessoas"
Louis Pasteur

Para os alunos que têm exames, bom trabalho! Para os que vão de férias, boas leituras!


12/06/2019

Prémio Escolar António Manuel Couto Viana




A aluna do 4º ano, Bárbara Fernandes Ribeiro, do Centro Escolar de Alvarães foi  a vencedora do 9º Prémio Escolar António Manuel Couto Viana na modalidade de Conto (tema livre) no que respeita a este nível de escolaridade. O conto vencedor intitula-se  ”O mundo das cores”. A aluna receberá um prémio monetário de acordo com a sua faixa etária e o Centro Escolar receberá um conjunto de publicações oferecidas pela Editora Opera Omnia. A entrega dos prémios far-se-á em sessão pública no dia 15 de junho pelas 11 horas na Biblioteca Municipal.

Parabéns, Bárbara!

11/06/2019

Feira Renascentista




Há 14 anos que a Escola do Monte da Ola fez a última Feira Renascentista. Para recordar, foram expostas algumas fotografias da época, que pertencem ao espólio da Biblioteca Escolar. Também foram expostas algumas monografias do fundo documental e trabalhos realizados pelos alunos.
A comunidade escolar do Agrupamento de Escolas de Monte da Ola, está de parabéns!

10/06/2019

Dia de Camões, de Portugal e das Comunidades Portuguesas


O Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, celebrado a 10 de junho, é o dia em que se assinala a morte de Luís Vaz de Camões em 1580, sendo também este o dia dedicado ao Santo Anjo da Guarda de Portugal, protetor do país, comemorado com um feriado nacional.
Durante o Estado Novo, de 1933 até à Revolução dos Cravos de 25 de abril de 1974, era celebrado como o Dia da Raça: a raça portuguesa ou os portugueses.

Com os trabalhos legislativos após a Proclamação da República Portuguesa de 5 de Outubro de 1910, foi publicado um decreto em 12 de Outubro estipulando os feriados nacionais. Alguns feriados foram eliminados, particularmente os religiosos, de modo a diminuir a influência social da igreja católica no Estado.
Neste decreto e ficaram consignados os feriados de 1 de Janeiro, Dia da Fraternidade Universal; 31 de Janeiro, que evocava a revolução falhada do Porto, e portanto foi consagrado aos mártires da República; 5 de Outubro, Dia dos heróis da República; 1 de Dezembro, o Dia da Autonomia (Restauração da Independência) e o Dia da Bandeira; e 25 de Dezembro, que passou a ser considerado o Dia da Família, tornando menos religiosa do Natal.
O decreto de 12 de Junho dava ainda a possibilidade de os concelhos escolherem um dia do ano que representasse as suas festas tradicionais e municipais.
Com a entrada em vigor da Constituição de 1933, todas estas leis ficaram sem efeito.
Camões é considerado símbolo do heroísmo portu
Luís de Camões representava o génio da pátria na sua dimensão mais esplendorosa, significado que os republicanos atribuíam ao 10 de Junho, apesar de nos primeiros anos da república ser um feriado exclusivamente municipal. Com o 10 de Junho, os republicanos de Lisboa tentaram invocar a glória das comemorações de Camões de 1880, uma das primeiras manifestações das massas republicanas em plena monarquia.
A estátua de Camões em Lisboa foi construída du
 A 10 de junho de 1579 ou 1580, Luis Vaz de Camões morre em Lisboa, deixando para trás uma das obras que mais enalteceu as aventuras e descobertas portuguesas: Os Lusíadas. Já no século XIX, foi na figura de Camões que os liberais portugueses encontraram um símbolo para a sua luta contra a presença dos ingleses em Portugal, e que mais tarde levou à implantação da República. E foi também a figura de Camões que deu origem a este feriado.
Camões está sepultado no Mosteiro dos Jerónimos
 Foi a sua exaltação dos feitos portugueses que fez de Camões o símbolo da pátria, querido pelos republicanos. Uma vez que não se tem a certeza da data do seu nascimento, a celebração da sua obra foi escolhida para o dia da sua morte, e ainda no século XIX a Câmara de Lisboa quis construir uma estátua do escritor.
18515105_mZUoT.jpg
 Esta estátua jacente de Luiz Vaz de Camões encontra-se no Mosteiro dos Jerónimos. Os seus restos mortais estarão ali ou não, mas o que importa é o Homem de Letras que ele foi.

O 10 de Junho começou a ser mais valorizado com o Estado Novo, o regime instituído em Portugal em 1933 sob a direcção de António de Oliveira Salazar. Foi a partir desta época que o dia de Camões passou a ser festejado a nível nacional. A generalização dessas comemorações deveu-se bastante à cobertura dos meios de comunicação social.
Durante o Estado Novo, o 10 de Junho continuou sendo o Dia de Camões. O regime apropriou-se de determinados heróis da república, não no sentido laico que os republicanos pretendiam, mas num sentido nacionalista e de comemoração colectiva histórica e propagandística.
Até ao 25 de Abril de 1974, o 10 de Junho era conhecido como o Dia de Camões, de Portugal e da Raça, este última alcunha criada por Salazar na inauguração do Estádio Nacional do Jamor em 1944. A partir de 1963, o 10 de Junho tornou-se numa homenagem às Forças Armadas Portuguesas, numa exaltação da guerra e do poder colonial. Com uma filosofia diferente, a Terceira República converteu-o no Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas em 1978. Só em 1978, já depois da revolução do 25 de abril de 1974, é que o feriado passou a ser conhecido como hoje é denominado: Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.
Camões_Os_Lusíadas_Page001_1r.jpg
 No Decreto-Lei n.º 39-B/78 de 2 de março, lê-se: "O dia 10 de Junho, Dia de Camões e das Comunidades, melhor do que nenhum outro, reúne o simbolismo necessário à representação do Dia de Portugal. Nele se aglutinam em harmoniosa síntese a Nação Portuguesa, as comunidades lusitanas espalhadas pelo Mundo e a emblemática figura do épico genial."
PORTUGUESES_MUNDO.jpg
Ainda hoje várias são as comunidades portuguesas no estrangeiro que celebram este dia com vários eventos e festas. Por cá, as comemorações começaram ontem, 9 de junho, e são vários os eventos por todo o país que marcam o dia. 
Desde o ano 2013 a comunidade autónoma da Extremadura espanhola festeja também este dia.
portugal_10144.jpg
As comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas são celebradas por todo o país, mas só as Comemorações Oficiais são presididas por sua excelência, o Presidente da República e muitas outras individualidades como o Primeiro-Ministro, os Embaixadores e outras demais ilustres personalidades. As comemorações envolvem diversas cerimónias militares, exposições, concertos, cortejos e desfiles, além de uma cerimónia de condecorações feita pelo Presidente da República.
Desde 1977 dezenas de cidades já receberam as comemorações, oito delas não capitais de distrito. Todos os anos, o Presidente da República Portuguesa elege uma cidade para ser sede das comemorações oficiais.
Lagos40_kopie-1.jpg

https://anamargaridapalmeiraebomeeugosto.blogs.sapo.pt/dia-de-portugal-de-camoes-e-das-23265

07/06/2019

Renascimento


Bronzino, retratista dos Medicis

Exposição


A entrada. Estas escadas aparentemente inócuas, são um desafio para qualquer pessoa, pois elas parecem que vão pra trás! Não considgo imaginar como no Renascimento com toda aquela roupa, subiam por elas!!

A entrada. Estas escadas aparentemente inócuas, são um desafio para qualquer pessoa, pois elas parecem que vão para trás! Não consigo imaginar como no Renascimento com toda aquela roupa, subiam por elas!


Hoje fui à exposição de Bronzino (Itália 1503-1572) em Florença no Palazzo Strozzi.  Uma belíssima e importante representação de quadros deste retratista do Renascimento que trabalhou na corte dos grandes patronos das artes, a família Medici.
Bronzino eliminava a expressão dos rostos e trazia a atenção aos trajes.  Desta forma estabelecendo a posição social das pessoas nos seus retratos.  Reproduzia com enorme precisão as roupas, jóias e penteados da época.  A beleza destes retratos é de deixar qualquer um emocionado.
Não pude evitar de ficar absolutamente hipnotizada pelos detalhes do veludo, das rendas, dos bordados, das pérolas, da posição das mãos, do vermelho dos lábios, da pele alva, de cada fio de cabelo perfeitamente colocado.
Pois então, a moda tem, nos seus quadros, grande importância. Se considerarmos a seguinte definição de moda: “um fenómeno sócio-cultural que expressa os valores da sociedade – hábitos e costumes – numa determinada época,”  entendemos que durante o Renascimento, onde só a nobreza e altíssima burguesia podiam se vestir assim tão sumptuosamente, a roupa e as jóias refletiam as posições sociais e quanto tal, deviam ser retratadas para estabelecer o status.
Só no século XX é que a moda teve o início da sua democratização.
Por sorte, hoje temos acesso a estas obras, e as podemos admirar pela sua beleza e por o que nos conta da época.



O Palazzo Strozzi em Florença.



Detalhe do Palazzo com o poster da exposição.



A corte interna do palácio com obra moderna de Michelangelo Pistoletto. Contraste impressionante.



Uma das salas com grandes tapeçarias. Na época eram usadas como decoração mas também para esquentar os ambientes que haviam muros de pedra.



Eleonora di Toledo, esposa de Cosimo I de’ Medici, com seu filho Giovanni. Reparem nas pérolas não só do seu colar, mas também na franja do cinto de ouro e pedras.



Este é o meu favorito. Maria di Cosimo I de’ Medici. O veludo de um verde profundo, as jóias riquíssimas na sua simplicidade, transparência do tule que cobre timidamente os ombros, a elegância da mão, a perfeição do penteado, sem falar nos bordados…



Bia, filha ilegítima de Cosimo I. No grande cordão de ouro está o perfil deste seu importante pai. O branco dos trajes, talvez para representar a inocência.



O simpático Giovanni, do primeiro retrato com sua mãe. É o único que sorri. Vermelho era uma cor muito difícil de se obter nos tecidos e portanto reservada à monarquia. A perfeição das cores e plumas do passarinho na sua mão é incrível. Neste museu permitem chegar super próximos às telas dando a possibilidade de admirar bem de perto.  O coral no colar é para trazer boa sorte.



Lucrezia Panciatichi fazia parte da corte de Cosimo I. O livro no quadro representa o fato que ela sabia ler. É uma bíblia, portanto que ela era Católica. Incrível as dobras da seda tão perfeitas, o tule bordado em ouro, o cinto de pedras duras. Existe uma expressão em italiano para dizer “é outra coisa” que se diz “outro par de mangas”. A origem vem do fato que as mangas se sujavam mais do que o resto da roupa que era muito complicada para lavar. Então, só as mangas eram substituídas.  Aqui se vê claramente que as mangas podem ser trocadas.  No quadro de Maria também.



Mais uma sala com esculturas de Cellini, contemporâneo de Bronzino.

https://www.consueloblog.com/bronzino-retratista-dos-medicis/

06/06/2019

Leituras Partilhadas




No dia 4 de junho, as turmas do 11º ano cumpriram a promessa feita no período transato aos alunos de duas turmas do 6º ano. Assim, os alunos do 11º A e 11º B partilharam com o 6º C e 6º D as suas leituras. A obra escolhida foi o Sermão de Santo António aos peixes do padre António Vieira. Esta atividade, Leituras Partilhadas, foi desenvolvida no âmbito do projeto da biblioteca escolar Ler+ para Celebrar a Diversidade em articulação com os professores de português das turmas intervenientes.




05/06/2019

Ler nas Férias... Férias a Ler!




As férias estão à porta! Para quem não gosta de andar carregado, mas que queira ler muito, eis uma solução prática: a biblioteca digital! Eis duas sugestões: A Biblioteca de Livros Digitais é um espaço dinamizador de iniciativas relacionadas com leitura e escrita, que se assume como um agregado de livros de autores consagrados e aprovados pelo PNL e, em simultâneo como repositório de trabalhos realizados por pessoas interessadas em criar outros textos motivados pelo livro que acabaram de ler. 

Boas Leituras...

Dia do Ambiente


No âmbito da disciplina de Complemento à Educação Artística, a turma E do 5º ano, em comemoração do Dia do Ambiente, para sensibilizar e relembrar os alunos da importância dos cuidados ambientais, apresentou a peça de teatro "A missão de Alice", aos alunos das turmas C e D do 6º ano.






03/06/2019

Agustina Bessa-Luís



1922-2019

Morreu Agustina Bessa-Luís




Agustina Bessa-Luís morreu esta segunda-feira de madrugada, aos 96 anos, confirmou o Público junto de um familiar. A escritora estava doente há mais de uma década, mas o seu estado de saúde agravara-se nos últimos tempos.
Agustina Bessa-Luís nasceu em Vila Meã, Amarante, a 15 de Outubro de 1922. A sua infância e adolescência serão passadas nesta região, que marcará fortemente a obra da escritora. Estreou-se como romancista em 1948, com a novela Mundo Fechado​, mas é em 1954, com o romance A Sibila, que se impõe como uma das vozes mais importantes da ficção portuguesa contemporânea. 
Agustina Bessa-Luís foi distinguida em 2004 com o Prémio Vergílio Ferreira, atribuído pela Universidade de Évora, pela sua carreira como ficcionista, e com o Prémio Camões, o mais alto galardão das letras em português.
Entre 1986 e 1987, foi directora do diário O Primeiro de Janeiro. Entre 1990 e 1993 assumiu a direcção do Teatro Nacional de D. Maria II (Lisboa).
Em 2002, edita a sua fotobiografia, com o título O Livro de Agustina Bessa-Luís. Sofre, em 2006, um AVC e a sua vida fica desde então confinada à sua casa no Porto. Neste mesmo ano, a Guimarães Editores edita o seu último romance, A Ronda da Noite.

https://www.publico.pt/2019/06/03/culturaipsilon/noticia/morreu-agustina-bessaluis-1875143

01/06/2019

Dia Mundial da Criança



"A melhor maneira de tornar as crianças boas, é torná-las felizes."
Oscar Wilde


Uma boa maneira de ser feliz!

23/05/2019

Efemérides


Portugal independente faz hoje 840 anos

Neste dia 23 de maio de 1179, o "bom filho e príncipe católico", Afonso Henriques, recebeu das mãos do Papa Alexandre III o reconhecimento de Portugal como reino e do próprio como rei.



21/05/2019

Literacia dos Media





Formação de utilizadores/ Literacia dos media

No decorrer do terceiro período, as turmas 6º D, 8º E e 9º D passaram pela biblioteca escolar onde receberam formação de utilizadores desta vez sobre como criar referência bibliográfica no word. Seguiu-se a atividade Observatório dos media que consistiu na seleção de notícias em jornais e periódicos que retratassem a condição feminina nas suas múltiplas facetas: a mulher na família, na sociedade, no mundo do trabalho… 
Com a ajuda do editor automático do word, os alunos fizeram depois uma lista bibliográfica com os documentos selecionados e organizaram através de categorias a diversidade da figura feminina.



20/05/2019

aLer+




Hoje, ainda foi celebrado o Dia da Família na Escola Básica de Vila Nova de Anha. A obra lida e interpretada, pelos alunos do 4º ano, foi "Amores de família" de Carla Maia de Almeida. Os alunos mais crescidos debateram várias representações de família.

18/05/2019

Dia Internacional dos Museus



Dia Internacional dos Museus

Próximo 18 de Maio de 2019 (Sábado)

O Dia Internacional dos Museus é celebrado anualmente a 18 de maio.
A celebração da data é feita desde o dia 18 de maio de 1977, por proposta do ICOM – Conselho Internacional de Museus (organismo da UNESCO).
Neste dia vários museus têm entrada gratuita, sendo possível visitar as suas exposições e obras, assim como participar nas iniciativas preparadas para comemorar o Dia Internacional dos Museus. O horário de funcionamento dos museus é alargado com o objetivo de mais pessoas poderem visitar os espaços museológicos do país.
Cerca de 70 museus de Portugal participam neste dia com cerca de 400 atividades muito variadas.
As iniciativas do Dia Internacional dos Museus em Portugal são divulgadas por volta deste dia no site Património Cultural.

Tema

Todos os anos é escolhido um tema central para comemorar o Dia Internacional dos Museus:
  • 2017 - "Museus e histórias contestadas: Dizendo o indizível nos museus";
  • 2016 - "Museus e paisagens culturais";
  • 2015 - "Museus para uma sociedade sustentável";
  • 2014 - "Museus: as coleções criam conexões";
  • 2013 - "Museus (Memória +Criatividade)= Mudança Social".
https://www.calendarr.com/portugal/dia-internacional-dos-museus/

17/05/2019

aLer+


                                     


No dia 16 de maio pelas 8h30 da manhã, as turmas do 6º C e 6º D receberam a visita do escritor Carlos Cebolo, autor do livro “Contos do avô Carlos” na biblioteca. O autor já tinha estado entre nós no dia 19 de março e a sua visita no dia de hoje teve a ver com a promessa feita pelas duas turmas ao escritor. No âmbito do projeto Diários de Leitura, dinamizado pela biblioteca escolar em articulação com os professores de Português, os alunos leram a obra, escreveram textos nos seus diários de leitura e elaboraram trabalhos criativos utilizando, entre outros, materiais reciclados. A exposição destes trabalhos encontra-se patente na biblioteca até ao final da próxima semana, 24 de maio.


Feira Renascentista


15/05/2019

aLer+




No dia 14 de maio, a Escola do primeiro ciclo de Mazarefes recebeu a visita da professora bibliotecária. Foram realizadas duas sessões, uma destinada aos alunos do 1º e 2º anos e a outra aos alunos mais crescidos das turmas do 3º e 4º anos. Na véspera do Dia Internacional da Família, as atividades realizadas remeteram para este tema. Aos alunos mais jovens foi contada a história “A menina que não gostava de beijinhos” ao que se seguiu uma Oficina de Ilustrações com o título: Beijinhos para todas as ocasiões. Em torno de alguns textos da obra de Carla Maia de Almeida, Amores de família, os alunos mais crescidos debateram várias representações de família. Nos próximos dias, os alunos desenvolverão com a professora titular tarefas de Durante e Depois da Leitura.


10/05/2019

aLer+


 

Os alunos das turmas A, C e D do 7º ano, depois de terem lido algumas obras, partilharam com os colegas as leituras de que mais gostaram. Apresentaram as biografias dos autores escolhidos e contaram as histórias e aventuras lidas.

09/05/2019

Dia da Europa



Dia da Europa

Próximo 9 de Maio de 2019 (Quinta-feira)

O Dia da Europa celebra-se a 9 de maio.
Este dia, também conhecido como Dia da União Europeia, comemora a Declaração Schuman, a declaração que deu origem à União Europeia. Esta declaração foi uma proposta da criação de uma entidade europeia supranacional avançada a 9 de maio de 1950 pelo estadista luxemburguês Robert Schuman. Atualmente a União Europeia é composta por 28 Estados-membros.
Para comemorar o Dia da Europa realizam-se vários eventos, como a entrega de prémios de concursos, palestras, concertos e o lançamento de livros, organizados pela Representação da Comissão Europeia e pelo Gabinete do Parlamento Europeu em Portugal, em parceria com outras entidades.
As instituições europeias abrem as suas portas ao público em diferentes dias do mês de maio, em Estrasburgo, no Luxemburgo e em Bruxelas. As representações e delegações da UE na Europa e no resto do mundo realizam eventos para todas as pessoas interessadas em participar.

https://www.calendarr.com/portugal/dia-da-europa/

05/05/2019

Vamos a banhos


Com o calor a chegar e a aproximar-se a época balnear, convém não esquecer: