31/12/2014

A LÂMPADA

 Thomas Edison, no dia 31 de dezembro de 1879, comercializa a primeira lâmpada incandescente.



  Fez-se luz..., só não concedia 3 desejos...

  Um ano de 2015 de LUZ para todos.

30/12/2014

SE...

RUDYARD KIPLING (30 de dezembro (1865-18 de janeiro 1936)
 Se..., por João Villaret:

Se consegues manter a calma
quando à tua volta todos a perdem
e te culpam por isso.

Se consegues ter confiança em ti
quando todos duvidam de ti
e aceitas as suas dúvidas

Se consegues esperar sem te cansares por esperar
ou caluniado não responderes com calúnias
ou odiado não dares espaço ao ódio
sem porém te fazeres demasiado bom
ou falares cheio de conhecimentos

Se consegues sonhar
sem fazeres dos sonhos teus mestres

Se consegues pensar
sem fazeres dos pensamentos teus objectivos

Se consegues encontrar-te com o Triunfo e a Derrota
e tratares esses dois impostores do mesmo modo

Se consegues suportar
a escuta das verdades que dizes
distorcidas pelos que te querem ver
cair em armadilhas
ou encarar tudo aquilo pelo qual lutaste na vida
ficar destruído
e reconstruíres tudo de novo
com instrumentos gastos pelo tempo

Se consegues num único passo
arriscar tudo o que conquistaste
num lançamento de cara ou coroa,
perderes e recomeçares de novo
sem nunca suspirares palavras da tua perda.

Se consegues constringir o teu coração,
nervos e força
para te servirem na tua vez
já depois de não existirem,
e aguentares
quando já nada tens em ti
a não ser a vontade que te diz:
"Aguenta-te!"

Se consegues falar para multidões
e permaneceres com as tuas virtudes
ou andares entre reis e pobres
e agires naturalmente

Se nem inimigos
ou amigos queridos
te conseguirem ofender

Se todas as pessoas contam contigo
mas nenhuma demasiado
Se consegues preencher cada minuto
dando valor
a todos os segundos que passam

Tua é a Terra
e tudo o que nela existe
e mais ainda,
tu serás um Homem, meu filho!


(Tradução de Vitor Vaz da Silva 

29/12/2014

NÃO VÁ O SAPATEIRO ALÉM DA CHINELA


  Esta expressão usa-se quando alguém dá um palpite numa área que não é sua, achando que tem conhecimento para algo que não tem. 
  Segundo a última Revista do Expresso, a origem desta expressão está, conforme nos conta Plínio, em Apeles, um pintor grego do século IV. Apeles costumava colocar à porta os quadros que pintava, ficando escondido a ouvir os comentários que quem passava fazia. Um dia, um sapateiro criticou a forma como uma sandália estava pintada. No dia seguinte, quando notou que a sandália estava retocada, pensando que era um entendido, começou a criticar a forma da perna. Apeles saiu de trás da porta e disse: Não vá o sapateiro além das suas sandálias.
  A palavra sandália foi, depois, substituída por chinela, mas qualquer uma delas serve para nos ensinar que não devemos falar daquilo que não sabemos.

28/12/2014

CINEMA



 Ir ao cinema, há uns anos, era uma atividade fascinante - viam-se as Actualidades, desenhos animados, os genéricos dos próximos filmes,havia dois intervalos, o ecrã era imenso e não havia ... pipocas, nem coca-cola, nem telemóveis a tocar, nem as pessoas a entrar e a sair durante a projeção.
 Devemos esse espectáculo aos irmãos Lumière - Augusto e Luís - nascidos em 1862 e 1864. O seu filme Saída da fábrica Lumière de Lyon é considerado o primeiro filme da história do cinema. A primeira sessão privada aconteceu um ano depois, e, a 28 de dezembro do mesmo ano, 1895, teve lugar a primeira sessão pública, paga, no Grand Café, em Paris. A fita tinha apenas 17 metros.
 E com o cinema, Faz-se luz...

27/12/2014

EIFFEL


 O engenheiro Gustave Eiffel nasceu a 15 de dezembro de 1832 e morreu, em 1923, a 27 de dezembro. Com obras emblemáticas em todo o mundo, duas há que, só por si, o celebrizaram - a Estátua da Liberdade (colaboração - 1886) e a Torre Eiffel (1889). Como curiosidade, e uma vez mais Faz-se luz..., o nome oficial desta Estátua é A Liberdade iluminando o mundo.


  Fontes Pereira de Melo, o grande estadista que procurou modernizar o país com o caminho de ferro e novas estradas, inaugurou a Ponte EIFFEL de Viana do Castelo, a 30 de junho de 1878, o que permitiu que o comboio, que ficava em Darque, chegasse a Viana. Ponte dupla, com dois pisos, tem 562 metros de cumprimento e é um dos símbolos da arquitectura do ferro em Portugal.
  Entre 1875 e 1877, Eiffel viveu em Barcelos para poder acompanhar melhor a construção da ponte D. Maria Pia, no Porto, que lhe trouxe a celebridade, depois de ter conseguido vencer a dificuldade de construção do imenso vão.
  Em Portugal, Eiffel ainda construiu a Ponte do Pinhão e a de Valença

26/12/2014

BOAS FESTAS

 Quem terá recebido estes cartões de Boas Festas, há mais de cem anos? Que felicidade lhes terá trazido?
 Infelizmente, agora é tudo muito digital, muito efémero. Aqui ficam alguns exemplares para vos dar saudades.








25/12/2014

CHARLIE CHAPLIN

 Naquele Dia de Natal de 1977, houve uma estrela que desapareceu do nosso planeta. 


O Natal em casa dos Chaplins

24/12/2014

NOITE DE LUZ

Nesta noite em que FAZ-SE LUZ... a canção Stille Nacht, heilige Nacht, original da canção Silent night.



 A história da canção, que se tornou património imaterial da UNESCO em 2011, é conhecida de todos, mas vale sempre a pena recordar.
 Composta em 1818, por Franz Gruber, com letra de Joseph Mohr,em Oberndorf, perto de Salzburgo, tem vindo a ser cantada em muitos géneros e traduzida em cerca de 140 línguas. A versão mais cantada é, sem qualquer dúvida, a de língua inglesa. Em 1859, John Freeman Young, da Trinity Church em Nova Iorque, publicou a tradução que hoje conhecemos - Silent night, holy night... A melodia sofreu algumas alterações ao longo dos anos.
  No Natal de 1914, nas trincheiras, a canção foi cantada em simultâneo em francês, inglês e alemão, pois era a única canção de Natal que era comum a todos os soldados. Nessa altura, ainda havia algum espírito natalício, mesmo em tempo de guerra.

 Com qualquer canção, em qualquer lado, desejamo-vos que uma ESTRELA especial brilhe este Natal dentro de todos.

  FELIZ NATAL!


23/12/2014

DICKENS

  Natal é música, é o presépio, são as prendas, é Dickens. Charles Dickens (1812-1870) criou as mais ricas personagens da ficção que, ainda hoje, nos retratam determinadas pessoas.



 Mr Scrooge, O conto de Natal, está e estará no nosso imaginário. Infelizmente, cada vez menos de leituras, mas um pouco adulterado em jogos, desenhos animados e filmes pouco fiéis à obra escrita. E há tantos Scrooges por aí...




 Muito novo, obrigado a trabalhar numa fábrica, pois o pai estava preso por dívidas, Dickens tomou contacto com a dura realidade do trabalho infantil da Revolução Industrial. Diz-se que a Rainha Vitória lia os seus livros e que essas descrições a incomodavam bastante, embora não tivesse mudado muito esta realidade... Dickens foi um grande lutador pelos direitos das crianças à educação, aos tempos livres e a outros direitos sociais.
 Os textos de Dickens, como era costume na época, eram publicados em fascículos, o que lhe permitia ir alterando o enredo de acordo com a reação dos leitores.
  De entre as suas obras, destacamos David Copperfield, Oliver Twist, A loja de antiguidades, Tempos difíceis, Grandes esperanças, A pequena Dorrit.
  Ler Dickens é um prazer. Ler Dickens é um dever.
  É um prazer e um dever da BE emprestá-los.

22/12/2014

PUCCINI


 Giacomo Puccini deixou-nos ópera lindíssimas como Madame Butterfly, La Bohème, Tosca, Turandot, Gianni Schicchi...
 Desta última, escolhemos uma ária muito conhecida - mio babbino caro - numa interpretação de Kiri Te Kanawa. Este tema fez parte da banda sonora de filmes, como Quarto com vista e As férias de Mr. Bean.


  Puccini nasceu a 22 de dezembro de 1858 e morreu, em 1924, no dia 29 de novembro.

21/12/2014

COMO O ALHO

A expressão fino como o alho, até há pouco tempo, fazia-nos uma certa confusão. Como comparar uma pessoa com o alho? Germano Silva, o grande estudioso do Porto, esclareceu-nos a dúvida:
  Afonso Martins Alho, mercador do século XIV, assinou, em Londres, o primeiro tratado de comércio entre Portugal e a Inglaterra. Como era muito bom negociador e inteligente, passou a dizer-se, quando se queria afirmar que uma pessoa era muito perspicaz e boa para negócios, que era fina como o alho. Afinal, não era o alho que se utiliza na culinária, mas o nome de uma pessoa.
 No Porto, entre a Rua das Flores e a Rua Mouzinho da Silveira está a Rua Afonso Martins Alho, a mais pequena desta cidade.
 Já agora, aproveite, na mesma rua, para almoçar num dos restaurantes mais típicos do Porto:


20/12/2014

JINGLE BELLS

  Já não há pachorra para tanta "musak" que nos impingem nas ruas, nos supermercados, nos centros comerciais. Ainda por cima, normalmente, é de má qualidade. 
   Mas, uma boa canção de Natal, é sempre uma canção agradável.
   Jingle bells é outras das canções muito conhecidas e, por vezes, 'assassinda'. Criada em 1857, por James Lord Pierpont, teve como primeiro título One horse open sleigh e era para ser cantada no Dia de Ação de Graças, embora esteja, agora, ligada ao Natal.
   Apreciem esta boa interpretação.



19/12/2014

AS BRONTË


  Heathcliff é uma das personagens de ficção mais conhecidas pela sua paixão exacerbada que consome tudo e todos à sua volta. O monte dos vendavais, publicado em 1847, a imortal obra onde nos surge, criado por Emily Brontë, que nasceu em 1818 e morreu a 19 de dezembro de 1848. Com as suas irmãs, Charlotte e Anne, viveu em Haworth, no Yorkshire.

  Como as irmãs, escreveu sob pseudónimo masculino, visto a escrita feminina não ser muito cotada, na época. Charlotte era Currer Bell, Anne, Acton Bell, e, Emily, Ellis Bell. Iniciaram a sua escrita inspiradas numa caixa com soldadinhos de chumbo que pertencia ao irmão, Branwell. Jane Eyre é o romance mais conhecido de Charlotte, e O inquilino de Wildfell Hall a obra de referência de Anne.
 Boas leituras para férias. A BE empresta.


18/12/2014

GOA, DAMÃO E DIU

  O anno horribilis de Salazar ainda estava longe de terminar. A 18 de dezembro de 1961, a União Indiana invadiu Damão e, nos dias seguintes, Goa e Diu. As tropas portuguesas, em muito menor número e com armas obsoletas, renderam-se e ficaram prisioneiras, em péssimas condições, durante meses. O General Vassalo e Silva, governador do Estado Português da Índia, como não acatou as ordens de Salazar, lutar até à morte, foi expulso do Exército Português.
   Esta invasão pode ser lida, entre outras obras de ficção, no livro de Raquel Ochoa, A casa-comboio.


17/12/2014

FESTA DAS LUZES

Menorah
  A FESTA DAS LUZES, comemorada pela religião judaica, teve início ontem. Hanukkah, em hebraico, assinala a libertação do templo e o milagre que se seguiu - só havendo azeite para manter a chama eterna mais um dia, deu-se um milagre e a chama continuou a arder por mais oito dias, até se poder consagrar mais azeite.
  A partir de ontem, e durante oito dias, o menorah, candelabro de nove braços, é usado para comemorar esta data. Cada dia acende-se uma vela, e o braço mais alto que os outros, o nono, colocado no centro, é usado para a vela que vai acender as outras - o shamash.
   Em Belmonte, centro judaico português, a Festa das Luzes, como todas as outras da religião judaica, vai ser comemorada, numa organização da Rede de Judiarias de Portugal.

16/12/2014

LUAR

  A sonata ao luar é uma das obras para piano mais conhecida. Escrita por Beethoven, em 1801, e dedicada à Condessa Giuletta Guicciardi. O compositor deu-lhe o nome de Sonata para piano nº 14, Op. 27 n.º 2, mas, cinco anos depois da morte de Beethoven, o crítico musical Ludwig Rellstab notou que o primeiro andamento lhe recordava o luar sobre o lago de Lucerna. Rapidamente, o nome de Sonata ao luar foi adotado por todos.
  Podemos ouvir aqui, 1º andamento, numa interpretação de Daniel Barenboim.


  Ludwig van Beethoven nasceu em Bona, a 16, ou 17, de dezembro de 1770, e morreu, em Viena, a 16 de março de 1827.

15/12/2014

O REI-ARTISTA


  D. Fernando Augusto Francisco António de Saxe-Coburgo-Gota Koháry, nasceu em 1816 e morreu a 15 de dezembro de 1885. Casou com a rainha D. Maria II, em 1836, e foi pai de uma numerosa descendência, da qual se destacaram D. Pedro e D. Luís, futuros reis. Com o primo,Príncipe Alberto, marido da rainha Vitória, manteve uma interessante e intensa correspondência, continuada pelo filho Pedro, que o visitou, durante o Grand Tour, como aqui já referimos.
   Querendo levar para os seus novos países as tradições da sua infância, a D. Fernando e ao Príncipe Alberto ficamos a dever a tradição da árvore de Natal e da maior parte das decorações natalícias que, ainda hoje, usamos. Nesta gravura, podemos ver D. Fernando a distribuir os presentes, tornando o Natal uma festa para as crianças - o Pai Natal só viria com a Coca-Cola...

D. Fernando - A chegada do Pai Natal - 1848 
 Maria Filomena Mónica, em O filho da rainha gorda, escreve:
Na Alemanha, onde havia grandes florestas, era costume, montar-se, nessa época, uma árvore, enfeitada com flores, bonecos e bolas. Em Portugal, o uso era antes o presépio, com o Menino Jesus nas palhinhas. Em 1844, D. Fernando resolveu fazer uma surpresa à família. Colocou em cima da mesa um pinheirinho, pondo ao lado os presentes.

  D. Fernando deixou-nos, também, o fantástico Palácio da Pena, em Sintra, construído, uma vez mais, tendo como modelo as vivências do Rei-artista, os deslumbrantes castelos alemães, que nos levariam a Luís da Baviera, a Sissi, a Wagner, a Walt Disney, a...
   

   

14/12/2014

LEONOR

 No Processo dos Távoras, suposto atentado ao rei D. José, os Marqueses de Távora foram presos a 14 de dezembro de 1758 e barbaramente mortos, tempos depois, assim como muitos outros membros da família.
 Para além de muitas outras leituras, sugerimos o livro de Maria Teresa Horta, As luzes de Leonor, sobre um dos membros da família que foi poupado - Leonor, a Marquesa de Alorna, uma aristocrata cultíssima, poeta e seguidora das novas ideias das Luzes.


13/12/2014

SANTA LUZIA

Santa Luzia
    Santa Luzia, santa da LUZ, nasceu em Siracusa, por volta de 238, tendo morrido em 304, durante as perseguições de Diocleciano. Padroeira dos oftalmologistas e de quem tem problemas nos olhos, tem como atributos uma bandeja com os seus olhos, que lhe tinham sido retirados durante o martírio a que foi sujeita. A sua festa realiza-se a 13 de dezembro.
    Viana do Castelo deu o nome de Santa Luzia ao Monte, ao Templo,  dedicado ao Sagrado Coração de Jesus, e ao Hotel.
   A Confraria de Santa Luzia foi criada, em 1884, por Luís de Andrade e Sousa, depois de ter sido curado de um problema oftalmológico.




12/12/2014

GO, TELL IT ON THE MOUNTAIN

A canção de Natal que se apresenta, hoje, alia um carol a um gospel, o que lhe dá um encanto maior. Datada de 1865, foi usada, um século depois, para defesa dos Direitos Civis. Se repararmos, o refrão anuncia o nascimento de Jesus:
   
   Go, tell it on the mountain
   That Jesus Christ is born.

   E é, precisamente, nesse refrão que, Peter Paul and Mary, fazem o apelo pelos Direitos Civis, ao mudá-lo para:
  
    Let my people go!

    Aqui, a versão original,


e a versão de intervenção


11/12/2014

FEIRA DO LIVRO


  Começa, hoje, a FEIRA DO LIVRO, para todos os gostos e para todos os preços. 
  Apareçam. Os livros são uma boa prenda de Natal.

10/12/2014

ARISTIDES DE SOUSA MENDES

  Há momentos nas viagens que nos ficam para sempre na memória. Em 1980, tive a oportunidade de passar três semanas a percorrer Israel. Toda a viagem foi uma descoberta, um deslumbramento, uma aventura. Num livros de memórias seria, por si só, um capítulo. Dentro desse percurso, a estadia em Jerusalém foi especial, e é essa que hoje quero recordar. Impressionou-me muitíssimo o complexo Yad Vashem, principalmente, a chama eterna, pela sua simplicidade sufocante e reveladora do sofrimento de tantos milhões que morreram nos campos de concentração


Com muito orgulho e emoção, por tudo o que significa, por tudo o que até ali tinha visto, foi o encontro com a placa de homenagem a Aristides de Sousa Mendes, numa árvore, na Avenida dos Justos das Nações do Mundo.


  Hoje, Dia Internacional dos Direitos Humanos, a Escola vai, também, homenagear esse grande Homem, com a atividade Aristides a luz do mundo.
   Mais do que homenageá-lo, devemos continuar a lutar pelos mesmos ideais que o levaram a enfrentar Salazar, lutando pelas suas convicções, salvando pessoas que não conhecia, apenas pelo facto de serem seres humanos perseguidos.

Isabel Campos

09/12/2014

THE TWELVE DAYS OF CHRISTMAS

The twelve days of Christmas é uma das canções mais conhecidas em inglês e das mais difíceis de cantar. A versão aqui apresentada é mais lenta e mais moderna, para melhor se entender a letra.
 Pensa-se que é de origem francesa e foi publicada, em Inglaterra, em 1780, sem música, que apenas lhe foi acrescentada em 1909. A da letra da canção tem muitas interpretações, que poderão ser consultadas aqui, mas apenas em inglês.





08/12/2014

IMAGINE

Querer um mundo melhor, um mundo  sem fome, sem dor, um mundo único, era o sonho de John Lennon, como o diz na canção Imagine.


  Mark David Chapman, no dia 8 de dezembro de 1980, pôs fim a esse sonho - assassinou John Lennon. 

07/12/2014

ADESTE FIDELIS

No mês do Natal, iremos relembrar algumas das canções natalícias mais conhecidas.
Há dias, falámos aqui da Restauração, em 1640, que levou ao trono D. João IV, duque de Bragança, um grande músico e protector das artes.
 Da sua autoria, datados de 1640, foram encontrados, em Vila Viçosa, dois manuscritos do chamado Hino Português, que se tornou, mais tarde, conhecido como Adeste Fidelis. A versão inglesa, O come, all ye faithful, traduzida por Frederick Oakeley, em 1841, tornou esta canção ainda mais conhecida 


06/12/2014

REQUIEM POR UM JORNAL





  Não! O Jornal de Letras não acabou. 
 Acabou foi o envio do jornal para as BE. O Ministério da Educação cancelou o contrato que tinha com a empresa que o edita.
 Ficamos mais pobres? Era só um jornal de Letras, Artes e Ideias - tudo desnecessário, tudo supérfluo. Arte e letras são para desocupados, ou para uma elite que querem proteger. Quanto a ideias, já, entre outros, José Gomes Ferreira dizia serem muito perigosas (Aventuras de João sem medo).
  
 O dia de sol enevoou. 

05/12/2014

MOZART E DISNEY

 Que terão em comum Wolfgang Amadeus Mozart e Walt Disney, para além da genialidade? Uma data - 5 de dezembro. Em 1791, morria Mozart e, em 1901, nascia Disney.
  Disney admirava Mozart e utilizou a sua música em alguns dos seus filmes de desenhos animados, principalmente, em Fantasia (podes ver na BE).
  Deliciem-se com este pequeno filme com o Pato Donald, Margarida, Mickey e a música de Mozart.


04/12/2014

A LEITURA ILUMINA O CÉREBRO

No passado dia 21 de novembro, estivemos juntos para ouvir a Neurologista, Drª Élia Baeta, numa excelente palestra sobre leitura e cérebro. As fotografias falam por si.

03/12/2014

DAS TAMPAS... FAZ-SE LUZ

  No DIA INTERNACIONAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA, vamos pensar um pouco mais nos que necessitam de nós. Este aparelho pode fazer toda a diferença para um aluno de baixa visão.


                       

 Há alunos na EB da Abelheira que necessitam deste aparelho.
  Vamos ajudá-los. Um dia, podemos nós precisar.
  Basta trazeres tampas de plástico e entregá-las na BE ou  no PBX .

 DAS TAMPAS... FAZ-SE LUZ...

02/12/2014

ESTRELA PARA SANTA LUZIA


 Já tínhamos aqui apresentado os Guias Michelin e um pouco da sua história.  Em 1929, é publicado o primeiro guia para Espanha e Portugal.


   Nas última semanas, num espacinho encontrado entre a porta do tribunal e o estádio de futebol, as televisões apresentaram os restaurantes portugueses e os chefes que ganharam estrelas Michelin, este ano. 

  Ora, nesse guia de 1929, já eram atribuídas estrelas aos restaurantes, mas de uma forma diferente da atual. Nos restaurantes portugueses apresentados, a dois deles foi atribuída uma estrela - Hotel de Santa Luzia, em Viana do Castelo e Hotel Mesquita, em Vila Nova de Famalicão.
  Sabiam?

01/12/2014

1640

  Devemos muito a Barcelona. Se não se tivesse revoltado nesse ano, Filipe III não estaria ocupado com essa parte do seu império e não teria deixado os Portugueses libertarem-se. Até agora, a Catalunha não o conseguiu.
   O fim do feriado acabou com a comemoração desta data, que apenas ficou para os monárquicos saudosistas. Foi pena - pelo feriado e pela data. Numa altura em que o país está cheio de "heróis" que deram o golpe, precisávamos de recordar alguns que fizeram alguma coisa pelo país.
    Recordamos o Hino  da Restauração (que nada tem a ver com restaurantes...)


30/11/2014

FRASEANDO

  Winston Churchill com o inconfundível charuto, o chapéu de coco e o V de vitória que criou. Faria, hoje, anos.

30 de novembro 1874 / 24 de janeiro 1965


   Uma mentira dá a volta inteira ao mundo antes mesmo de a verdade ter tempo de se vestir.

  Sucesso não é o final, falhar não é fatal: é a coragem para continuar que conta.

  A sorte não existe. Aquilo a que chamais sorte é o cuidado com os pormenores.

  Não há mal nenhum em mudar de opinião. Contando que seja para melhor.

 Depois da batalha aérea da Normandia: Nunca, no campo do conflito humano, tantos deveram tanto a tão poucos.


29/11/2014

QUASE PERFEITO



Otar Imerlishvili [ The Girl with the Book ] 1970
                       
    Só o gato está a mais...

28/11/2014

APOSTROFITE AGUDA




  O apóstrofo tornou-se uma praga, uma epidemia. Passou a ser usado a torto e a direito para formar o... plural. Em que gramática de Português vem a regra de formação do plural com 's? Alguém, talvez distraído, começou a moda, que se propagou rapidamente nos jornais, na televisão e naquele santuário ... o facebook. Lamentamos, mas está ERRADO!
 Vamos lá voltar a explicar a regra, com ajuda do Ciberdúvidas:

aqui As siglas, como muito bem observa, não se pluralizam com s; pluralizam com o determinante: «os CD».

e aqui
  Quanto ao plural, embora se veja por aí indicado com com um apóstrofo e um S maiúsculo de tipo mais pequeno [SA´s (sociedades anónimas)] é uma grafia errada. Reparemos que, na maior parte das vezes, as siglas correspondem a nomes eles já no plural. Por exemplo:
Os CTT (os Correios, Telégrafos e Telefones)
Os EUA (os Estados Unidos de América)
As SA (as Sociedades Anónimas)
Logo: as CT (as Comissões de Trabalhadores, e não as "CT´s").

 RESUMINDO - Veja os DVD que lhe apetecer; ouça os CD de que mais gosta; esqueça os TPC; s. f. f., não esqueça esta regra. 

27/11/2014

OS DUMAS

24-7-1802 / 5-12-1870
17-7-1824/27-11-1897


  Os dois Alexandre, os dois escritores, os dois famosos, embora a obra do pai seja mais vasta e reconhecida.
    Quem não conhece as personagens D' Artagnan, Portos, Aramis, Conde de Monte Cristo, Margarida Gautier? Os três primeiros, os famosos Três Mosqueteiros, segue-se O Conde de Montecristo e a Margarida de A dama das camélias. Verdi tornou esta última ainda mais famosa quando, em 1853, se estreou a ópera La Traviata. 


   Na sua História da Leitura, Alberto Manguel conta que, em Cuba, nos finais do século XIX, nas fábricas de charutos, como o trabalho de enrolar as folhas de tabaco era muito monótono, os trabalhadores contrataram um lector que lhes lia. 
   O material para estas leituras, escolhido previamente pelos trabalhadores (...) ia desde panfletos políticos e livros de História até romances e colectâneas de poesia, tanto moderna como clássicas. Tinham os seus favoritos: "O conde de Monte Cristo, de Alexandre Dumas, por exemplo, tornou-se numa escolha tão popular que um grupo de trabalhadores escreveu ao autor, pouco antes da morte deste, em 1870, pedindo-lhe autorização para dar o nome do herói do seu romance a um dos charutos. Dumas consentiu.

   Ainda hoje, são charutos muito apreciados


cinta de charutos Montecristo

26/11/2014

O INVENTOR DO MAR



  Richard Russell foi chamado «o inventor do mar», segundo o que escreveu Bill Bryson, Em casa: breve história da vida provada.
  Nascido a 26 de novembro de 1687, foi o primeiro médico que pôs a água do mar na moda. Os tratamentos que prescrevia incluíam banhos e a ingestão de água do mar. Recomendava a água de Brighton, onde construiu uma casa onde recebia os seus doentes.




25/11/2014

OURIÇOS RECICLADOS

Ouriços com materiais reciclados




  A professora de EMRC, Sandra Sarmento, contou com a colaboração dos alunos do 5º ano para a elaboração de ouriços-cacheiros. Estes trabalhos encontram-se já expostos no átrio da escola e poderão ser apreciados até ao final do período.
     A ideia para a criação destes trabalhos surgiu a partir da leitura da fábula dos ouriços, no âmbito da primeira unidade didática “O meu grupo”. “A moralidade desta narrativa de tradição oral realça a importância da convivência em grupo, um bom relacionamento não é aquele que une pessoas perfeitas, mas aquele em cada um aprende a conviver com os defeitos do outro e a valorizar as suas qualidades.” – explica a professora.

     Os alunos puseram as mãos à obra e, com muita imaginação, utilizaram materiais reciclados tais como pinhas, palitos, pruma, ouriços das castanhas, folhas de outono, entre outros.

UMA NOTÍCIA
Trabalho realizado na aula de Português pelos alunos do 6ºE




24/11/2014

POESIA E GEDEÃO

                           

   Na última 6ª feira, quem pôde assistir à palestra A leitura ilumina o cérebro, entre muitas coisas que reteve, para além de que 10 minutos diários de leitura feito por uma criança com dislexia fazem milagres, também ficou a saber que a poesia, pela sua musicalidade, permite estimular áreas cerebrais nos adultos que começam a envelhecer.
   
  Rómulo de Carvalho, nascido a 24 de novembro de 1906, foi, em 2006, no próprio dia do seu centésimo aniversário, homenageado na nossa Escola, com a presença da filha,  a escritora Cristina Carvalho, e do genro, que inauguraram uma exposição bio-bibliográfica e falaram sobre o Homem, o Professor, o Cientista, o Poeta.



  Hoje, queremos homenageá-lo como poeta, com o pseudónimo de António Gedeão, com o poema Impressão digital

                  Os meus olhos são uns olhos.
                  E é com esses olhos uns
                  que eu vejo no mundo escolhos
                  onde outros, com outros olhos,
                  não vêem escolhos nenhuns.

                  Quem diz escolhos diz flores.
                  De tudo o mesmo se diz.
                  Onde uns vêem luto e dores
                  uns descobrem cores
                  do mais formoso matiz.

                  Nas ruas ou nas estradas
                  onde passa tanta gente,
                  uns vêem pedras pisadas,
                  mas outros, gnomos, e fadas
                  num halo resplandecente.

                  Inútil seguir vizinhos,
                 querer ser depois ou ser antes.
                 Cada um é seus caminhos.
                 Onde Sancho vê moinhos
                 D. Quixote vê gigantes.

                 Vê moinhos? São moinhos.
                 Vê gigantes? São gigantes.

   
     Para além dos poemas e de obras científicas, sugerimos que requisitem na BE a autobiografia Memórias e As origens de Portugal: História contada a uma criança, que escreveu para o filho mais velho.